Como funciona o empréstimo do Bolsa Família

A principal finalidade do programa Bolsa Família é oferecer às pessoas em situação de pobreza ou extrema pobreza uma ajuda financeira e social.


Além de os auxiliados receberem até R$ 300,00 por mês, eles também têm a sua saúde monitorada, assim como a frequência escolar dos possíveis menores de idade.

O que pouca gente sabe é que o Bolsa Família também oferece empréstimo aos seus beneficiários. Ele é possível em situações especiais, e este texto ensinará como ele funciona.


O que é o empréstimo do Bolsa Família?

O empréstimo do Bolsa Família é chamado também de microcrédito, e trata-se de uma quantia extra de dinheiro para as famílias que querem começar um negócio ou que já têm um pequeno empreendimento.

O Ministério do Desenvolvimento Social libera até R$ 15.000,00 para os beneficiários e, mesmo se tratando de um programa social, existem juros.

O governo federal determina de quanto serão os juros desse empréstimo considerando em quantas parcelas o beneficiário pagará, qual é o montante total e a faixa de renda do indivíduo.

Como funciona o empréstimo do Bolsa Família


Quem pode pedir o empréstimo do Bolsa Família?

O empréstimo do Bolsa Família só é permitido para pessoas que já sejam assistidas pelo Bolsa Família e o Ministério do Desenvolvimento Social também avalia se:

  • Os menores de idade da família são regulares na escola (exceto os que têm idade inferior a 6 anos);
  • Se a renda familiar fica abaixo de R$ 170,00;
  • Se as mulheres da família participam das atividades do governo federal que favorecem a sua saúde.

É muito importante reforçar a utilidade do empréstimo do Bolsa Família: ele é liberado unicamente para uso básico de quem é assistido pelo programa, além da consolidação ou abertura de empreendimentos.

Dentre as razões para o empréstimo ser concedido, está:

  • Necessidade de compra de materiais escolares;
  • Necessidade de pagamento de curso profissionalizante para um dos membros da família;
  • Reforma de algum cômodo da casa que prejudique a condição de vida dos moradores;
  • Situações semelhantes e que proporcionem melhor qualidade de vida.

Quem tem direito a receber o Bolsa Família

Para a requisição desse tipo de empréstimo, o cidadão precisa primeiro fazer parte do programa social.

Todos os brasileiros que tenham renda per capita de até R$ 170,00 podem solicitar esse auxílio, desde que tenham os documentos abaixo:

  • Título de eleitor;
  • Certidão de casamento ou nascimento;
  • CPF;
  • Carteira de trabalho;
  • Comprovante de frequência escolar para os menores de idade;
  • Documento oficial com foto;
  • Comprovante de renda atualizado

Possuindo a documentação de todos os membros da família, deve-se procurar o Centro de Referência em Assistência Social (CRAS) ou, em caso de inexistência dele, a Prefeitura.

A solicitação de Bolsa Família é mandada ao Ministério do Desenvolvimento Social e a sua liberação chega em até três meses.

A partir de então, o beneficiário poderá pedir o microcrédito especial para os beneficiários.


Como pedir o empréstimo do Bolsa Família

É necessário comparecer a uma agência da Caixa Econômica Federal e pedir uma consulta: com ela, o cidadão saberá se pode pedir esse empréstimo.

Se houver direito, o processo seguinte é:

  • Escolher um fiador de confiança;
  • Esperar que o agente da Caixa Econômica compareça à residência do solicitante;
  • Espera-se o período de análise, que demora um pouco mais de uma semana;
  • Quando o banco permitir o microcrédito, basta que a pessoa faça o saque.

É importante que o cidadão esteja disposto a receber o agente da Caixa Econômica Federal, pois ele ajudará a confirmar que o solicitante está de acordo com as exigências do programa social.

Como funciona o empréstimo do Bolsa Família


O que acontece se o beneficiário é excluído do Bolsa Família?

Muitas pessoas têm o seu Bolsa Família suspenso devido a desobedecer certas obrigatoriedades, como:

  • Não realizar o recadastramento obrigatório a cada dois anos;
  • Não avisar ao CRAS que houve mudança na renda per capita;
  • Não garantir que os seus menores de idade sejam frequentes na escola;
  • Não avisar ao CRAS que houve mudança nos componentes da família;
  • As mulheres não fazerem o acompanhamento médico obrigatório

Se um beneficiário do Bolsa Família receber o microcrédito e depois tiver o auxílio suspenso, ele continua tendo de pagar pela sua linha de crédito.

Por exemplo: uma pessoa que recebe o benefício e pede R$ 5,000,00 de empréstimo; a Caixa Econômica fornece-o, mas essa pessoa deixa de seguir as obrigatoriedades listadas e é excluída do Bolsa Família.

Em uma situação igual à descrita, o indivíduo não fica “livre” de pagar o microcrédito.

Porém, por ter baixa condição financeira, o melhor é entrar em contato de novo com o CRAS para pedir a nova liberação do Bolsa Família; ela é solicitada mediante uma carta de próprio punho endereçada ao Ministério do Desenvolvimento Social.

Por tudo isso, vale reforçar que os brasileiros precisam ter atenção às regras do Bolsa Família, principalmente quando fazem o pedido de linha de crédito.

4 Comentários

  1. Daiane cristina Cristina Rodrigues 23 de agosto de 2019
  2. Daiane cristina Rodrigues souza 23 de agosto de 2019
  3. Jullye 17 de setembro de 2019
  4. Cláudia Alves 8 de outubro de 2019

Deixe um comentário